Renan Vieira rumo ao Berkut No-Gi Moscow 2017

Publicado em 05/12/2017
Imagem do Artigo Renan Vieira rumo ao Berkut No-Gi Moscow 2017

Tivemos um bate-papo rápido com o atleta faixa marrom de Jiu-Jitsu Renan Vieira, detentor de títulos expressivos na arte suave, um pouco antes dele embarcar com destino à Rússia.
Renan vai disputar o Absolute Championship Berkut No-Gi Moscow 2017, um dos principais eventos da modalidade na Europa:

Como o convite para o Berkut chegou até você?
O convite chegou através do André Galvão e da Angélica Galvão, os líderes da Atos JJ. Treino na equipe faz tempo, me preparei lá para o mundial, e por isso temos uma boa relação, além de meu mestre ser o mesmo que treinou o André, o mestre Careca. Então quando os organizadores do evento procuraram a Atos afim de encontrar um faixa marrom acima de 95kgs pra essa competição, eles pensaram em mim e me trouxeram a oportunidade!

Lutar sem kimono é muito diferente? Você considera mais difícil? Quem é seu exemplo nesse tipo de competição?
Lutar sem kimono é diferente por não haver pegadas, algumas finalizações são mais difíceis pelo fato do suor e a da velocidade da luta ser maior. O jogo também acaba ficando mais dinâmico. Mas nada que atrapalhe a vontade de lutar. Afinal, com ou sem kimono, continua a ser Jiu-Jitsu e é isso que eu amo.
Em competições sem kimono, o meu maior ídolo, como de muita gente, é o André Galvão, que foi 5X campeão do ADCC, sendo o maior nome da história do Jiu-Jitsu sem kimono. Também me espelho no Roger, que venceu o primeiro ADCC que acompanhei, em 2005, quando nem sonhava que o Jiu-Jitsu seria meu trabalho rs.

O que significa para você, nesse momento de sua carreira, essa oportunidade?
Tive um começo de ano muito bom, ganhando o Rio Fall Open da IBJJF com e sem kimono, vencendo o Brasileiro da CBJJ e sendo Vice campeão mundial da IBJJF na Califórnia. 
No segundo semestre tive algumas decisões equivocadas profissionalmente, mas hoje em dia tudo está se resolvendo e tomando o caminho certo de novo. Essa oportunidade reascende meu lado competitivo na hora certa e me deixa muito empolgado para lutar esse evento.

Quais são os seus planos no esporte após voltar da Rússia?
Após o Berkut, pretendo lutar pelo menos mais uma competição no Brasil antes do fim do ano, descansar um pouco e me preparar pro calendário 2018, pois em janeiro já tem o Europeu da IBJJF e o Brazil National Pro da UAEJJF.

Foto: Arquivo Pessoal

  • TV Pegada
  • Polvo Team Fight Club
  • Pro Fight MMA Brasil 41
  • World Tatami