UFC no Combate 2

Publicado em 19/05/2013
Imagem do Artigo UFC no Combate 2
Fonte: Textual / Fotos: Alexandre Loureiro/UFC

No segundo UFC realizado no Brasil em 2013, Vitor Belfort voltou a brilhar em território nacional, nocauteando Luke Rockhold no primeiro round com um espetacular chute rodado. Na co-luta principal da noite, o ex-campeão do Strikeforce e estreante no UFC Ronaldo Jacaré finalizou o americano Chris Camozzi também no primeiro round. Das 13 lutas da deste sábado, dia 18, apenas uma foi vencida por um americano: Nik Lentz superou Hacran Dias na última luta do card principal. Estiveram presentes 7.642 espectadores na arena.

“Essa é uma arena fantástica, uma cidade fantástica e mal podemos esperar para voltar. Antes, muitas pessoas não sabiam onde ficava Jaraguá do Sul. Agora, certamente sabem”, declarou o Diretor de Desenvolvimento Internacional do UFC Marshall Zelaznik, que conduziu a coletiva de imprensa oficial após o evento.

O executivo aproveitou a ocasião para fazer um grande anúncio: após Fortaleza, que recebe o The Ultimate Fighter Brasil 2 Finale no dia 8 de junho, o Rio de Janeiro recebe o quarto UFC em solo nacional deste ano. A quarta edição carioca do evento está marcado para o dia 3 de agosto, na HSBC Arena, e tem duas lutas confirmadas até o momento: o campeão dos pesos penas José Aldo defende seu cinturão contra Anthony Pettis, enquanto Demian Maia busca sua quarta vitória consecutiva nos meio-médios, em cima de Josh Koscheck.


Bônus da noite (US$ 50 mil dólares cada):
Nocaute da noite - Vitor Belfort
Finalização da noite - Ronaldo Jacaré
Luta da noite - Lucas “Mineiro” Martins vs Jeremy Larsen

 

RESULTADOS E COMENTÁRIOS DOS LUTADORES:

- Vitor Belfort vence Luke Rockhold por nocaute no R1

Vitor Belfort: “Não existe sorte sem treinamento. Tenho os melhores treinadores de chute do mundo, e creio que tudo que você pratica, você consegue. Estou curtindo o momento, não peço adversários, é uma alegria apenas estar lutando. Estou focado em me aprimorar e continuar melhorando”

Luke Rockhold: “Eu não era derrotado há muito tempo, não treino para perder. Não estou me sentindo muito bem. Agora, só consigo pensar em voltar para o octógono e bater em alguém.”


- Ronaldo Jacaré vence Chris Camozzi por finalização no R1

Ronaldo Jacaré: “Assim que entrei na arena, pensei “não vou decepcionar essa torcida, essa torcida está demais.” Vou dividir o meu bônus (de finalização da noite): metade vai para minha mãe e a outra metade para uma viagem sensacional com a minha patroa.”


- Rafael dos Anjos vence Evan Dunham por decisão unânime

Rafael dos Anjos: “Eu senti a cabeçada, senti a dor do corte, mas acontece. Eu perdi o equilíbrio no primeiro round e tomei uma queda, mas estava confiante de que tinha ganhado o segundo e o terceiro rounds. Estou bem treinado, preparado e pronto para enfrentar qualquer um, mas gostaria de enfrentar alguém bem rankeado, para que eu possa crescer como lutador.”


- Rafael Natal vence João Zeferino por decisão unânime

Rafael Natal: "Eu sei que falei antes que a mudança de oponente não faria a diferença, mas eu tive que mudar muitas coisas na minha estratégia. Eu iria marcar um lutador alto e canhoto, e tudo mudou. Mas eu sabia que sendo chamado com tão pouca antecedência ele não teria tempo suficiente para ficar em forma, então pensei que, mesmo perdendo o primeiro round, eu levaria o segundo e o terceiro, e foi o que aconteceu.

João Zeferino: "Foi muito emocionante lutar em casa, mas não vou inventar desculpas. Fiz o meu melhor, mas ele foi melhor que eu e mereceu a vitória. Agora vou continuar em frente e espero conseguir lutando no UFC.”

 

- Nick Lentz vence Hacran Dias por decisão unânime

Nik Lentz: "Essa é minha segunda vitória no Brasil e essa luta exigiu muito de mim, mas adoro vir para o Brasil e ouvir a multidão falando que eu vou morrer. Quanto ele partiu para a finalização, eu tive que ser muito cuidadoso e paciente e esperar por uma oportunidade."

Hacran Dias: "O primeiro round foi emparelhado e no segundo ele infelizmente conseguiu impor o jogo dele. Eu demorei para entrar na luta, tanto que foi no terceiro round, quando realmente ouvi meus corners, que comecei a fazer meu jogo. A joelhada no segundo round me pegou por uns segundos, mas foi rápido, não foi o suficiente para me tirar do jogo. Agora é voltar para casa, descansar a cabeça e trabalhar em cima dos erros.”

 

- Francisco “Massaranduba” Trinaldo vence Mike Rio por finalização no R1

Francisco Trinaldo: "É minha segunda vitória consecutiva por finalização, e o katagatame é algo que eu treino muito. Enquanto estiver ganhando estarei feliz, mas venho rezando por um nocaute bem bonito para os fãs.”

Mike Rio: "Eu sabia que ele era forte, mas ele é mais forte que eu pensava. Acho que isso foi o que me pegou um pouco desprevenido a princípio. A finalização não estava totalmente ajustada, mas ele é tão forte que me apertou e conseguiu. Eu senti quando eu entrei que o público era muito ´anti-eu´, mas, quando saía do octógono, eles foram muito respeitosos.”


- Gleison Tibau vence John Coholish por finalização no R2

Gleison Tibau: "Eu queria misturar boxe, muay thai e wrestling e mostrar uma boa performance para a plateia. A vitória foi para provar algo para mim mesmo, quero voltar a ser mais agressivo e mais versátil, esse é só o início da minha nova carreira.”

John Cholish: “Eu estava tentando imprimir meu ritmo, mas ele manteve o dele. Eu adorei a torcida brasileira. Mesmo que estivessem torcendo contra mim, estavam torcendo por um outro lutador. Às vezes eu sinto nos Estados Unidos que a multidão está vaiando a batalha em si, mas essa torcida parecia muito em sincronia com a luta e conhecedora do assunto.”

 

- Paulo Thiago vence Michel Prazeres por decisão unânime

Paulo Thiago: "Eu estava em uma posição delicada. Precisava da vitória e me dediquei bastante para isso. Ele é um atleta muito duro, muito experiente. Eu o admiro bastante e ele é cara muito legal."

Michel Prazeres: "Sinto que ganhei o primeiro round e foi no final do terceiro que as coisas realmente viraram a favor dele. Sou na realidade um peso leve, mas me ofereceram essa luta de última hora e eu tive que aceitar. É meu grande sonho. Agora eu vou voltar à minha divisão de peso."

 

- Marajó vence Iliarde por nocaute técnico no R1

Yuri Marajó: "É sempre maravilhoso lutar em casa. Eu sempre entro buscando uma finalização ou um nocaute, e finalmente pude fazer isso aqui. Daqui pra frente, vai ser sempre assim.”

Iliarde Santos: "Foi uma estreia difícil. Lutei contra um oponente complicado, que é meu amigo e já morou comigo. Estou nesse evento grande, senti a pressão e congelei. Agora é preparar para a próxima. É bom ver o Pará começando a aparecer e crescendo no esporte.”

 

- Fabio Maldonado vence Roger Hollett por decisão unânime

Roger Hollett: “Eu sei que ele é um cara duro, no segundo round ele me acertou e eu não conseguia ver direito de um olho. Eu devia ter sido mais ativo, acabei desacelerando no segundo round e ele simplesmente assumiu o controle.”

Fabio Maldonado: “Essa é uma vitória muito importante. Fiz algumas mudanças no meu camp, pela primeira vez treinei na minha idade, Sorocaba. Trouxe algumas das melhores pessoas, especialmente Patricio Pitbull, que assumiu o controle. Estou me sentindo muito bem, poderia lutar de novo agora. Tomei um susto com aquele golpe baixo, mas optei por tirar um tempo e me recuperar antes de retornar para a luta.”

 

- Formiga vence Cariaso por decisão unânime

Jussier Formiga: “Eu estava indo muito bem, mas no terceiro round ele me surpreendeu com a guilhotina e depois com a cotovelada. Ela estava encaixadíssima, tive que sair ´na tora´, mas pensei ´posso apagar, mas não vou bater´. Entrei com a pressão extra de ter perdido na minha estreia, mas graças a Deus tudo deu certo e estou muito feliz por ter conseguido essa vitória no Brasil.”


- Lineker vence Gashimov por nocaute técnico no R2

John Lineker: “Quero me aproximar do título e estou esperando boas notícias do UFC. É motivação extra poder lutar no meu país, e essa foi uma torcida muito especial.”

 

- Mineiro vence Larsen por nocaute no R3

Lucas Martins: “Fiquei um pouco surpreso com o peso da mão dele, achava que seria um pouco mais leve, e também esperava que ele fosse buscar trocar um pouco e partir mais para as quedas. Em vez disso, ele quis trocar. Tive que mudar um pouco meu plano na hora, mas pensei ‘vamos sair na mão’. Decidi que ele não ia me derrubar. Eu adorei a luta e acho que abri a noite com chave de ouro. Estou muito feliz de ter ganhado essa vitória no Brasil.”

Jeremy Larsen: “Eu estava certo de que ele ia cair até o terceiro round, fiquei buscando aquele ponto em que ele ia quebrar, mas ele nunca veio. Eu sempre luto 100% para os fãs, sempre quero ficar de pé e trocando. Não estou feliz com a derrota, mas estou feliz com o fato de que pudemos dar um show para essas pessoas que vieram nos assistir.”

  • Polvo Team Fight Club
  • World Tatami
  • Pro Fight MMA Brasil 41
  • TV Pegada